29 de agosto de 2016

Meu ponto fraco...

É verdade, você é meu ponto fraco!  Você consegue me desestruturar, mexer com meu psicológico, sou totalmente vulnerável  a você. E o pior é que você sabe.

Ainda não aprendi a me defender de você, não existe um escudo ou armadura para lidar com isso, talvez eu esteja me permitindo a te querer e gostar dessa situação sem perceber.

Entre tantos olhares desviados e cruzados, tantos sorrisos dados aos nos encontrarmos em meio aos corredores da vida, tantas palavras não ditas. Confesso que sou um tanto covarde, assim como você quando se tratar de dizer claramente o que sinto; Já que meus sinais não foram decifrados.


Covardia por covardia, medo por medo vamos seguindo rumos diferentes até que um dia todo esse sentimento tenha um fim. Até que nos tornemos indiferentes um para o outro.

Quando os olhares não tiverem a mesma intensidade, quando as palavras não tiverem mais peso e  que seja possível manter o meu equilíbrio.

Sou seu oposto, você sabe. Enquanto você expressa calmaria, expresso caos. E mal posso esperar por me ver longe desse caos todo. Vai passar, eu sei! Sempre passa...





14 de agosto de 2016

Madrugada de Domingo

Madrugada de Domingo, um vinho barato, cigarros mentolados e olhar distante pela janela. A cada trago uma lembrança que se vai e a cada gole se afogando os sentimentos e as mágoas existentes dentro de mim.

Gosto do silêncio que a madrugada me proporciona, do simples fato da cidade, tudo ao meu redor estar tão quieto, silencioso e  através disso poder escutar a mim mesma, meu interior tão barulhento como o o dia-a-dia em cidade grande.

Mas chega! Chega dessa guerra de desinteresses, onde o que vale mais é mostrar quem menos se importa, de correr atrás e não chegar a lugar algum, de engolir a seco tanto sentimento, viver se afogando em meio a tanta intensidade, de viver em um labirinto sem saída.

E pensar no que não foi, naquilo que NUNCA será, devido a tanta covardia. Sim, covardia! Covardia por não dar importância ao que se sente e decidir ignorar, se afastar, nadar contra a correnteza e todos os dias se repudiar por sentir.

Confusões sentimentais são realmente uma droga. O que prende duas pessoas de ficarem juntas?
O orgulho? O medo de se arriscar? Outras pessoas? Por que esse sentimento dentro nós deve ser ignorado? Se no final seremos apenas pó, números e mais um em meio a multidão.

São perguntas que não deveriam existir, mas que existem e muitas vezes não possuem respostas.

Por fim a saideira, o ultimo cigarro do maço e um brinde a NÓS que nunca existiu e irá existir!













21 de julho de 2016

Por alguns segundos..

Era uma quarta-feira comum, um dia cinza, frio, aquela rotina monótoma de sempre e um chá quente. As lentes dos óculos embaçavam a cada sopro e movimentos circulares com uma colher de plástico na tentativa de dissolver as cinco colheres de açúcar colocadas em um copo descartável.
È, realmente faltava doçura para aquele dia tão sem sabor e emoção. Parecia que alguma coisa faltava ela sabia o que era, mas custava a acreditar.
De repente um cheiro de perfume, uma presença, passos apressados adentravam seu ambiente e junto a eles um frio na barriga incontrolável: "Será que é ele?" Imaginou. E era ele! Sempre apressado, pensativo, ás vezes cabisbaixo, mas seu sorriso era sua áurea e a ela trazia paz. Ele não precisava dizer nada só apenas sorrir e se dizia, era bônus!
 Por alguns instantes um frio na barriga, pernas bambas, mãos trêmulas, falta de ar e um turbilhão de sensações e espontaneamente um sorriso de canto de boca. Em meio a tantas decepções ele ainda despertava sobre ela, seu lado puro e doce. Um suspiro profundo e suas pálpebras fechavam e abriam junto a expiração e um olhar distante. Era como se ela fosse as nuvens e em seguida botasse novamente os pés no chão encarando a dura realidade.
Sem expectativas, sem ilusões apenas sentia. Sem se julgar, punir ela sentia sem dar importância, apenas porque a ela isso fazia bem por alguns segundos essa sensação de voar e sair do Mundo em direção a outra dimensão. <3